• Direitos Humanos

CAOP Informa

15/05/2019

Resolução da UEL amplia para 45% o Sistema de Cotas Raciais

O Grupo de Trabalho de Combate ao Racismo, criado pela 24ª Promotoria de Justiça Da Comarca de Londrina, obteve importante resultado de suas ações: o Conselho Universitário da Universidade Estadual de Londrina aprovou a Resolução nº 008/2017, que ampliou o sistema de cotas raciais para 45%, em vista da apresentação dos resultados qualitativos dos estudantes cotistas.

Em 2017, a 24ª Promotoria Justiça, através do seu Grupo de Trabalho, recebeu a notícia de possível reavaliação da manutenção da política de cotas na Universidade Estadual de Londrina naquele ano, sob a justificativa de que a universidade estaria perdendo qualidade de ensino. A partir disso, houve intensa atuação conjunta ao Conselho Universitário para que a política pública não fosse retirada.

O Grupo de Trabalho, criado em 2012, é composto por representantes dos movimentos negros locais, representantes das Universidades, Secretarias Municipais e Estaduais vinculadas à educação, saúde e segurança pública, além dos Conselhos Municipais de Educação e de Promoção da Igualdade Racial, contribuindo para a ampliação aprimoramento das políticas públicas de igualdade racial e combate ao racismo na Comarca. Dentre outras realizações, o Grupo de Trabalho, juntamente da 24ª Promotoria de Justiça, igualmente conquistaram:

- A análise dos Planos de Capacitação dos professores das redes Estadual e Municipal de Londrina, promovida pelo Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UEL, para auxiliar no processo de implementação das Leis nº 10.639/2003 e 11.645/2008 junto às escolas públicas e particulares de ensino fundamental e médio; e

- A participação no processo de articulação das diferentes entidades públicas e privadas que, de forma direta e indireta, contribuiu no planejamento e na construção da sede do NEAB - denominada "Casa Yá Mukumbi", em homenagem a esta importante representante do candomblé no Estado, a qual foi assassinada, junto de outras mulheres de sua família, por racismo religioso - tornando-se um local de representatividade, sociabilidade e integração dos indivíduos e entidades que lutam pela igualdade racial.

Recomendar esta notícia via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem